Potengi, verás que um filho teu não foge à luta!

Carioca Bárbara Melo é eleita presidenta da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES)

Conubes_CRÉDITO - VITOR VOGEL


Congresso da entidade terminou neste sábado (30/11) em Belo Horizonte, com a participação de 7 mil estudantes de todos os estados do Brasil
A União Brasileira dos Estudantes (UBES) encerrou, neste sábado (30) o seu 40º Congresso na cidade de Belo Horizonte, com a participação de 7 mil estudantes de todo o Brasil, a definição dos rumos do movimento estudantil para os próximos anos e a eleição da nova diretoria da entidade. Na plenária final do encontro, realizado no ginásio do Mineirinho, a carioca Bárbara Melo, de 19 anos, foi eleita presidente da UBES e terá, a partir de agora, a responsabilidade de representar os mais de 50 milhões de estudantes do ensino médio, fundamental e técnico brasileiro.
Estudante da escola Oscar Tenório na capital fluminense e intensamente envolvida com a onda de manifestações brasileiras que tiveram sua explosão no mês de junho, Bárbara espera que a entidade, com mais de 65 anos, avance na luta pelo passe livre estudantil, na reformulação do ensino médio e nas lutas feministas. A eleição marca a continuidade de gestões de mulheres no movimento secundarista, com a saída da pernambucana Manuela Braga.

Veja abaixo perfil completo de Bárbara Melo, nova presidenta da UBES

Do total de 2.209 votos, a chapa da nova diretoria da UBES “Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós” obteve 82% dos votos, totalizando voto de 1.815 delegados. Também participaram as chapas “Oposição de Esquerda”, com 313 votos, “Reconquistar a UBES”, com 36 votos e “UBES é pra Lutar” com 33. Foram somados apenas 4 votos brancos e 8 votos nulos.
O Congresso da UBES, que teve início no dia 28/11, reuniu, por três dias, 7 mil estudantes de todos os estados brasileiros nas cidades de Contagem e Belo Horizonte. Foram debatidos temas como passe livre estudantil, reforma política e gestão democrática. Além de emancipação feminina, combate ao genocídio da juventude negra e os desafios do ensino técnico.
A plenária final aprovou resoluções importantes como a permanente luta da entidade pela Reformulação do Ensino Médio, reforma radical no Estado brasileiro em defesa da democratização das mídias e a convocação da Jornada Nacional de Lutas 2014.
CRÉDITO - VITOR VOGEL - CONUBES -0570

A função aumentou: um perfil de Bárbara Melo 

No bom carioquês da juventude da zona oeste do Rio de Janeiro, cabe dizer que Bárbara Melo é uma menina “na função”. Aos 19 anos, moradora da região de Bangu, filha de um pai técnico em eletrônica e de uma mãe que gastou suor para conciliar o trabalho doméstico e um curso na faculdade de direito, a nova presidenta da UBES é bate-pronto, desembolada, na fita, disposição. Estudante do pré-vestibular e recém-formada no ensino técnico, em um curso de administração, ela acredita que a vida tem acelerado o passo no caminho que a levou, em apenas três anos, da disputa na quadrilha de festa junina da escola ao movimento do grêmio estudantil, posteriormente à presidência da Associação Municipal dos Estudantes do Rio de Janeiro (AMES) e agora ao posto máximo do movimento secundarista brasileiro. “Admito que dá um pouco de medo, mas tô aí”, sorri matando no peito.
A capacidade de encarar e se dar bem com grandes desafios está na biografia recente. Como estudante de uma escola pública tradicional do bairro de Marechal Hermes, aprendeu a improvisar em uma rotina envolvendo uma hora de ônibus para chegar à aula de manhã, outra hora de tarde para ir ao estágio na Eletrobrás, no centro da capital, e jogo de cintura para ainda participar das reuniões e “corres” do movimento estudantil na cidade. Trocar de roupa e se maquiar na estação de metrô, fazer refeição com a tradicional batata frita com bacon na região da escola ou vender bijuteria entre os amigos para fazer um extra foram apenas o começo.
O clima “na função” na vida de Bárbara aumentou e muito, a partir de 2012, quando já presidente da AMES tornou-se uma das mobilizadoras do Fórum de Luta contra o Aumento da Passagem no Rio. Totalmente envolvida com um dos temas mais importantes do movimento secundarista, o passe livre, viu o Fórum tornar-se, um ano depois, um dos nascedouros da histórica jornada de manifestações de junho de 2013, em todo o Brasil. Desde então não saiu das ruas e integra, hoje, a geração de jovens cariocas que tem emendado lutas após lutas, como a campanha do caso Amarildo, a greve dos professores municipais e a mobilização pela desmilitarização da polícia militar. Na suposta trincheira de oposição caricata entre black blocs de um lado e “coxinhas” de outro, ela aponta um caminho do meio:
“Não me incluo na tática dos black blocs, apesar de achar simbólico o fato de quebrarem, principalmente, os grandes bancos privados. Há uma mensagem nisso. Por outro lado, acho perigoso o discurso dos que gritam contra todos os partidos e contra as entidades do movimento social. É errado criminalizar a política no geral porque, inclusive, os que estão na rua são políticos. Fazer uma manifestação é um gesto político”, afirma. Entre as outras lutas que encampa estão a democratização dos meios de comunicação, o combate à homofobia e o conjunto das pautas feministas. Participante do movimento da Marcha das Vadias no Rio de Janeiro, ela acredita que os temas voltados às mulheres – principalmente as jovens – estão explodindo na cidade e no Brasil. Menciona os recentes casos de suicídio de duas jovens estudantes brasileiras, após terem vídeos envolvendo sua sexualidade expostos na internet: “O problema do chamado ‘revenge porn’ é urgente, precisa ser mais debatido dentro da escola e também pela UBES”, acredita.
No que diz respeito à educação pública brasileira, a grande bandeira da entidade, Bárbara espera que o movimento educacional passe a discutir, com mais afinco, qual é o papel do sistema de ensino na atualidade. “Comemoramos algumas vitórias como a conquista dos royalties do petróleo para a área da educação, mas precisamos saber como e onde esse recurso deve ser investido. Qual escola queremos?”, indaga. Ela enxerga a necessidade de reformas pedagógicas e estruturais no ensino médio, grandes reajustes salariais para a classe de professores, alterações curriculares, adequação de cada sistema de ensino às realidades locais das regiões brasileiras, o fortalecimento da democracia nas escolas e a valorização de órgãos como os conselhos escolares e os próprios grêmios estudantis que, em sua opinião, estão crescendo de forma marcante no país. “O estudante brasileiro, no geral, ainda acha a escola um saco, além de achá-la ruim, e a escola não se preocupa com os anseios desses jovens.”, aponta. Segundo ela, outra prioridade de sua gestão será a campanha pela reestruturação do ensino técnico, a busca por melhorias nos institutos federais e no projeto original do Pronatec, realizado pelo governo federal.
A pauta requer fôlego, mas ela se diz otimista para o ano de 2014, que envolve grandes eventos como as eleições e a Copa do Mundo no país. Terá que conciliar as viagens e responsabilidades da presidência da UBES com a sua preparação para a universidade, onde espera ingressar no curso de administração pública. “Estou me sentindo desafiada”, descreve. O sentimento é semelhante àquele que teve na primeira disputa do campeonato de quadrilha da escola, mas Bárbara sabe que, agora, não é ela que perde ou ganha. São todos os estudantes secundaristas brasileiros.
Crédito de Imagem: Vitor Vogel

Postar um comentário

Postar um comentário