Potengi, verás que um filho teu não foge à luta!

Golpe midiático-eleitoral está em curso

Por Lincoln Secco, no blog Viomundo:

Por mais que as Jornadas de Junho tenham aberto novo ciclo político no Brasil e permitido tanto uma renovação geracional do protesto de esquerda quanto uma ressurreição de espectros da direita, a decisão dos eleitores ainda guarda uma memória institucional que não é alterada no curto prazo.

A estreita margem de distância entre Dilma e Aécio reflete parte dos ventos de junho porque subiram ligeiramente os votos nulos, as abstenções e o voto em outras forças políticas, especialmente a candidatura alternativa da Direita: Marina Silva.

Isso significa que se o PT vencer enfrentará um país muito mais dividido. Fenômeno que já é visível na Venezuela e na Argentina. Em condições políticas “normais” ainda assim, Dilma mantem vantagem. Por qual razão?

Para que ela seja derrotada não basta que não deva mais governar, é preciso que haja quem governe em seu lugar.

Ou seja, a oposição teria que ter duas qualidades que não possui: popularidade e programa alternativo. Na verdade a oposição tem programa, mas ele é impublicável: são as “medidas impopulares” de Aécio Neves.

Uma provável vitória de Dilma se dará por pequena margem de diferença de votos. No entanto, a luta política não se resume aos programas, aos apoios consolidados e à orientação ideológica do eleitorado.

Como numa guerra (Clausewitz), a destreza do comando, o objetivo político e o apoio popular se conjugam ainda com duas outras variáveis: o jogo das probabilidades e a força do acaso.

O acaso está sendo provocado. Previsivelmente, toda a grande imprensa articulou a enésima denúncia às vésperas de uma eleição. Mas dessa vez, com a possibilidade concreta de derrotar o PT, está em curso um gigantesco golpe midiático-eleitoral.

Na fase das escaramuças, começaram as demissões de jornalistas, o terrorismo eleitoral, a intimidação nas ruas e a manipulação sofisticada de pesquisas. Na fase de guerra aberta, veremos as armas de destruição em massa que a Direita usará ou não.

A campanha petista percebeu isso e adotou um tom de combate, desmontando a candidatura Aécio em suas três linhas de defesa mais frágeis: uma história pessoal que o incapacita ao governo de um país; o programa econômico do seu partido e a corrupção encouraçada de impunidade.

Mas para vencer, o PT precisará montar um verdadeiro contra–golpe de base popular. Se terá um resto de força ideológica para isso, não sabemos. Mas se perder, todo o “continente latino-americano” sofrerá um retrocesso político de dimensões inimagináveis.

Postar um comentário

Postar um comentário