Potengi, verás que um filho teu não foge à luta!

MANIFESTO: VAMOS, SEM MEDO, COM GUILHERME BOULOS PRESIDENTE!

A situação aberta no país com o golpe institucional encontra-se em momento crítico. Após aprovação da Emenda Constitucional, que congela os investimentos públicos por 20 anos, Temer e o Congresso Nacional impuseram a Reforma Trabalhista que acaba com quase um século de conquistas dos trabalhadores e trabalhadoras. Apesar da resistência o governo segue a ameaça de acabar com a aposentadoria no Brasil. 

Guilherme Boulos


A intervenção militar no estado do Rio de Janeiro, as arbitrariedades do judiciário e o crescimento de alternativas conservadoras anunciam a ampliação da ofensiva contra os explorados e oprimidos. 

Mas a situação é ainda pior para as mulheres trabalhadoras, que sofrem com a violência machista todos os dias. Também para as negras que além assistirem seus filhos, irmãos, sobrinhos e netos morrerem pelas da polícia e do tráfico, são assassinadas e presas. Os jovens negros e periféricos que vêm seu futuro roubado a cada dia com o encarceramento em massa e o desmonte da educação pública. A violência contra LGBTs e adeptos de religiões de matrizes africanas também cresce a medida que figuras como Bolsonaro ganham espaço para propagar o ódio.

Tragédias como a da Samarco que destróem o ecossistema de regiões inteiras ocorrem sem nenhuma responsabilização dos culpados. As grandes empresas e o agronegócio provocam danos irreparáveis para o nosso meio ambiente e expulsam populações indígenas e ribeirinhas de suas terras.

Cabe ao PSOL apresentar um programa e uma candidatura para as eleições de 2018 que enfrente os poderosos e privilegiados, seja um ponto de apoio para os oprimidos e defenda às liberdades democráticas conquistadas com a luta e o sangue daqueles resistiram num passado não distante.

Os 13 anos de governos petistas não promoveram as reformas estruturais necessárias para atender os anseios do povo trabalhador e defendidas pela esquerda socialista historicamente. Inicia-se um novo ciclo político. O fim de duas décadas de polarização entre PT e PSDB assim como a profunda crise do sistema político permitem o surgimento de uma alternativa radical. Para isso, é preciso encarar no presente o desafio de construir o futuro.  

O PSOL nasceu da ousadia daqueles que não aceitaram os limites impostos por um regime político apodrecido. Nasceu buscando superar os limites do PT e seu projeto de conciliação de classes, e assim permaneceu como um pólo de resistência da esquerda no parlamento e nas lutas. Esse é nosso DNA. Assim conquistamos nosso espaço na sociedade e por isso, em meio a crise de representatividade das velhas legendas, fomos o partido que mais cresceu nos últimos anos.

É necessário, no entanto, admitir que não somos ainda suficientes. É preciso olhar para além dos nossos próprios muros.  

A luta contra o golpe e a unidade para enfrentar os retrocessos fortaleceram os laços entre o PSOL e o MTST. Este movimento, junto da Frente Povo sem Medo, esteve na linha de frente da luta em defesa da democracia e dos direitos, com suas barricadas, ocupações, movendo milhares de trabalhadores. Essa parceria enche o PSOL de orgulho. 

No calor das lutas de resistência passamos a construir saídas para a crise que vivemos no Brasil. A plataforma Vamos! propõe medidas de enfrentamento aos privilégios e contra a desigualdade e a opressão.  

A aliança entre PSOL e MTST nas eleições de 2018 pode ser muito mais que uma candidatura: pode representar um salto na construção de um campo político que assuma os interesses dos de baixo e não tenha medo de enfrentar os privilégios impostos pela elite brasileira, propondo medidas claramente anticapitalistas, que onerem os ricos ao invés dos trabalhadores.

Ninguém melhor para simbolizar essa aliança e este programa do que Guilherme Boulos, líder dos sem-teto. 

Guilherme, tendo a ousadia própria de sua juventude, é provado nas lutas dos últimos 20 anos e representa um movimento que tem os pés fincados na base das periferias das grandes cidades. Um dos movimentos que mais permaneceu mobilizado, mesmo durante os governos petistas. Inspira confiança porque sendo perseguido pelo governo, pela mídia e pela polícia, seguiu firme na missão de fazer justiça social e organizar os de baixo. Já demonstrou inúmeras vezes a radicalidade necessária para enfrentar os poderosos. Por isso sua candidatura contagia movimentos de juventude, movimentos indígenas, de mulheres, negros, mídia independente, ativistas de todas as idades, trabalhadores dos mais diversos setores, intelectuais, artistas progressistas e certamente pode contagiar milhões de brasileiros. É possível ver um caminho de esperança em que o povo e a cultura construída pelos povos que formam o Brasil estejam representados em um projeto das e pelas maiorias. 

É necessário promover novamente o encontro das ideias socialistas com os trabalhadores e o povo oprimido. É preciso acreditar nas nossas ideias, mas na condição de transformá-las em realidade. Sem isso o PSOL não terá ainda cumprido seu objetivo. Estamos longe do nosso destino, mas estamos bem acompanhados em mais uma etapa desta caminhada. Por isso vamos com Boulos presidente!

ASSINE O MANIFESTO 

Postar um comentário

Postar um comentário