Potengi, verás que um filho teu não foge à luta!

Boulos: "Queremos uma aliança com o povo, e não com o MDB'

Pré-candidato à Presidência pelo PSOL é o segundo convidado da série de entrevistas de CartaCapital com concorrentes deste ano




José Cícero da Silva
Guilherme Boulos em campanha
Foto: José Cícero da Silva
Candidato divide agenda programática da campanha com a dos movimentos sociais, que é sua origem

Ao longo de 2017, o flerte entre o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e o coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Guilherme Boulos, foi paciente, mas insistente.
Boulos já aparecia anos antes na cena pública com a figura do líder de movimento social combativo, e na medida em que cenário político se adensava com a Operação Lava Jato e a deposição da ex-presidente Dilma Rousseff, suas aparições se tornaram cada vez mais constantes e relevantes dentro da esquerda, inclusive a partidária. 
Embora tenha sofrido resistência de uma das frentes do PSOL, Boulos lançou sua candidatura à presidência no dia 3 de março ao lado da líder indígena Sônia Guajajara e da cúpula psolista.
Onze dias depois, a vereadora carioca Marielle Franco - que esteve presente no lançamento da candidatura -, foi executada no centro do Rio de Janeiro. Os esforços que seriam para a campanha voltaram-se todos para a morte da parlamentar, cuja investigação policial segue sem desfecho.
Treze dias após a morte de Marielle, a caravana do ex-presidente Lula pelo Sul do país foi alvo de uma emboscada, e tiros atingiram um dos veículos no trajeto entre Quedas do Iguaçu e Laranjeiras.
Boulos mais uma vez abriu mão de sua agenda como candidato para fazer a defesa contra o que considera um avanço neofascista no Brasil. "As pessoas precisam entender que isso é um ataque a todos, ao estado de direito, a democracia", afirma. 
Dez dias após o atentado, a Polícia Federal levou Lula do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC para Curitiba, cumprindo o mandado de prisão expedido pelo juiz Sérgio Moro. Mais uma vez Boulos interrompe sua pré-campanha e vai para o front da política nacional no que ela tinha naquele momento de mais relevante. Fica ao lado de Lula o tempo todo, influindo e atuando nas decisões mais do que figuras importantes do próprio Partido dos Trabalhadores. 
Boulos é o segundo convidado da série de entrevistas de CartaCapital com pré-candidatos à Presidência. O primeiro entrevistado foi Álvaro Dias, presidenciável pelo Podemos.
O pré-candidato não se engana: 2018 não é um ano eleitoral qualquer. Boulos e o PSOL terão de se dividir dentro da esquerda entre a plataforma de campanha do partido e os combates sociais que o período ainda reserva. O candidato mais jovem à presidência, com 35 anos, Guilherme afirma "que não faltará disposição para fazer campanha de chinelo rasgado", se for necessário.  
Confira os principais trechos da entrevista em vídeo com o candidato:
CartaCapital: Você vem do movimento social e nunca se candidatou a um cargo público. Qual o sentido dessa campanha para você? Guilherme Boulos: Levar a indignação (social) que o sistema político não ouve para dentro (da política institucional). 
CC: Qual a proposta do PSOL para a economia do país?GB: Qualquer programa econômico tem que ter como foco combater a desigualdade social do país. 
CC: É possível colocar esse programa em prática levando em conta as medidas tomadas pelo presidente Michel Temer, como a reforma trabalhista? 
GB: Não. É preciso chamar um referendo com a população e revogar todas as medidas desse governo. 
CC: E qual é o modelo de desenvolvimento capaz de fazer o Brasil voltar a crescer?
GB: É um modelo que não passa por cima dos povos tradicionais e aumente sua produção de tecnologia de ponta. Precismos sair do setor primário. 
CC: E como promover esse desenvolvimento com o atual composição do Congresso Nacional, que em boa medida defende setores tradicionais? 
GB: Temos que implantar um modelo de governabilidade que não seja com aliança com o PMDB, mas como o povo brasileiro. Queremos governar se for para jogar o PMDB na oposição, que é o que o partido sempre foi, mas desde sempre dá pitaco no governo de todo mundo sem eleger ninguém. 
CC: Nos últimos anos você se aproximou bastante do ex-presidente Lula e agora poderá concorrer com ele. Como fica essa relação agora? 
GB: Defendo que ele seja candidato. Não é uma luta só pelo Lula. É problema da sociedade brasileira que está com um direito essencial, que é o de participar do jogo político, comprometido. 
CC: Você defende uma coalizão da esquerda ao longo da campanha? Ela já está ocorrendo? 
GB: Esquerda precisa se colocar como alternativa a crise de representação, e não como parte dela. Muitas vezes a esquerda não consegue atingir as pessoas porque ela não se coloca efetivamente conta o establishment político. A nossa proposta é essa, ser uma campanha que vem de baixo e que não se dobra ao discurso do marqueteiro. 
CC: Você vem do movimento social e encara uma eleição em um dos momentos mais turbulentos da política nacional. Por que fazer essa opção agora? 
GB: Não é uma questão de escolha somente. Jogaram a política num abismo. Num momento como esse não dá pra se omitir. A gente tem que ir para o debate. 
CC: Como vai ser se dividir entre o plano programático da campanha e as lutas que o campo progressista deverá enfrentar conjuntamente? 
GB: A esquerda tem diferenças entre si e isso é legítimo. Podemos discordar estando dentro do mesmo plano de lutas. 
CC: Então você acredita que a esquerda está unida hoje?
GB: O momento político hoje é grave e nos exige uma unidade democrática. Mas uma unidade que seja capaz de criar um projeto de país sem jogar as diferenças para debaixo do tapete. 

Postar um comentário

Postar um comentário