Potengi, verás que um filho teu não foge à luta!

Colunista: O que explica o ódio?


Prof. Geraldo Batista

O que explica o ódio da massa conservadora, que assola a sociedade brasileira contemporânea contra governos democraticamente eleitos? O que explica o ódio de (des)governos protofascistas e antissociais, por governos estadistas que pregam o bem estar social a partir de instituições públicas? O que explica o ódio da extrema direita por sujeitos contemplados por programas sociais? O que explica o ódio da “casa grande” por negros e escravos, que mesmo após o diploma imperial (Lei Aurea de 1888), que extinguiu a escravidão e, que até hoje são explorados pela elite branca? O que explica o ódio da classe média brasileira por personagens das classes menos favorecidas? O que explica o ódio pregado pela sociedade machista e homofóbica pela comunidade feminista e LGBT? O que explica o ódio dos (neo)liberais por sindicatos e entidades grevistas? O que explica o ódio dos cristãos, para com ateus, agnósticos, membros de religiões afrodescendentes e defensores do casamento entre casais do mesmo sexo, que foi publicamente questionado por Francisco, entidade máxima da igreja? O que explica o ódio dos golpistas (mídia conservadora, Supremo Tribunal Federal, Poder Legislativo), por um governo eleito democraticamente por mais de 54 milhões de brasileiros e, que erradicou a fome por mais de 14 anos no poder? O que explica o ódio dos norte americanos ao mercado produtor e consumidor da China e Venezuela? O que explica o ódio da iniciativa privada ao “estado de bem estar social” que tanto beneficia a população, em especial as mais carentes? O que explica o ódio da elite reacionária e conservadora com o programa nacional de cotas raciais? O que explica o ódio de indivíduos de ideologias autoritárias e de espíritos antidemocráticos para com os da democracia? O que explica o ódio de latifundiários e agentes da agropecuária intensiva pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra? O que explica o ódio dos manipuladores midiáticos tradicionais (Rede Globo, Rede Record, Bandeirantes, SBT) por redes midiáticas alternativas (Face book, You Tube, Blogs)? 

Geraldo Batista de Castro

Postar um comentário

Postar um comentário